Perdas caem para 1,33%, revela Pesquisa Abrappe no Varejo Brasileiro

Perdas caem para 1,33%, revela Pesquisa Abrappe no Varejo Brasileiro

No dia 9 de junho de 2021, a Abrappe divulgou, em parceria com a consultoria EY, os resultados da 4ª Pesquisa Abrappe de Perdas no Varejo Brasileiro (relativo ao período de 2020)O estudo, apresentado durante o Fórum Abrappe 2021 (acompanhe a íntegra aqui no Canal Abrappe do Youtube), apontou queda no índice de 1,36% (2019) para 1,33% (2020). No segundo ano de pandemia, a expectativa que o setor tinha no ano passado de que os cuidados para contenção do vírus também impactariam o varejo se confirmaram e o índice caiu, entre outros fatores, devido ao aumento das vendas e a diminuição de furtos em loja. Em valores reais, o varejo brasileiro perdeu R$ 23,26 bilhões no ano passado.  

A pesquisa de perdas de 2020 mostra um cenário positivo mesmo em meio a tantas dificuldades. “Vimos a redução do índice médio de perdas do varejo de 1,36% em 2019 para 1,33% em 2020. Mesmo em um ano com tantos desafios operacionais o varejo cresceu 6% em faturamento, segundo o IBGE, o que certamente colaborou para a redução desse índice. Mas nós que estamos no dia a dia da perda sabemos que sem um trabalho com análise dos resultados e agilidade nas ações de prevenção não teríamos conseguido resultados positivos”, explica Carlos Eduardo Santos, presidente da Abrappe. 

Embora a diferença entre 2019 e 2020 tenha sido pequena, alguns setores do varejo tiveram uma variação maior.  Perfumarias (2,04% de perda total), drogarias (1,08%) e lar e construção (1,04%) foram os setores que tiveram as maiores altas, excluindo os formatos de supermercados, que tradicionalmente apresentam as maiores diferenças. 

Menores índices de perda – Na contrapartida, a pesquisa mostra que os setores de magazine regional (0,66% de perda total) e eletro/móveis (0,11%) possuem os menores índices de perdas. Esses setores, embora possuam algumas categorias que geram a oportunidade de furtos (celulares e jeans), contam com um modelo de atendimento assistido que intimida a prática de delitos nas lojas. 

Supermercados – Na comparação dos 15 setores pesquisados, quatro formatos de supermercados (hipermercado, convencionais, vizinhança e conveniência) são responsáveis pelos maiores índices de perdas do varejo brasileiro. Entre eles, o que apresentou a maior porcentagem de perda foi o de hipermercados, com 2,52%, seguido de perto pelas lojas convencionais com 2,10% de perda total e as lojas de vizinhança, os chamados mercados de bairro, que apresentaram índice de 1,89%. Os segmentos também lideram o ranking geral. 

A pesquisa da Abrappe, em parceria com a EY, é o levantamento sobre perdas com a maior participação de segmentos do varejo já desenvolvida no país. O estudo faz o levantamento em 15 segmentos – Atacados e Atacarejos, Calçados, Construção/Lar, Drogarias, Eletro/Móveis, Esportes, Livrarias/Papelarias, Lojas de Departamento, Magazines, Moda, Perfumarias e Supermercados. Nesse último, a exemplo de 2020, a pesquisa elaborada em 2021 contou com a parceria da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS), que forneceu os dados do setor.  

No Comments

Post A Comment